Índice Real Matinha

Índice Econômico

As medições de consumo alimentar iniciadas em 2011 abriram caminho para o cálculo das avaliações genéticas da “Eficiência alimentar”, uma das características de maior impacto econômico no negócio pecuário. Estas informações permitiram o desenvolvimento de um robusto e abrangente índice econômico de seleção. Este índice vem nos proporcionado muito maior objetividade no processo de melhoramento e seleção.

O que é Índice Real Matinha (IR$M)

Com objetivo de estimar o valor do genótipo agregado dos animais com base em suas qualificações genéticas e no fluxo de caixa do sistema de produção de gado de corte do país, desenvolvemos o índice econômico “Índice Real Matinha”. O uso da palavra real no nome, além de sinalizar que não se trata de um índice arbitrário (ele é econômico), significa que sua unidade de medida é financeira, uma vez que ele é expresso em reais (R$).

Como foi desenvolvido o Índice Real Matinha (IR$M)

Nos processamentos para o desenvolvimento dos índices foram considerados valores presentes e futuros dos custos dos insumos e dos produtos comercializados no país, e as avaliações fenotípicas e genéticas preditas para os animais. O Índice Real Matinha foi calculado para duas situações, diferença de rentabilidade até a desmama (IR$MD) e para ciclo completo ( IR$MC ) . No IR$MD foram utilizados os valores das DEPs calculadas pela ANCP para as características efeito materno, peso aos 210 dias, probabilidade de parto precoce e stayability. Já para o IR$MC, além das características integrantes do IR$MD foram consideradas as DEPs para as características ganho em peso pós-desmama, rendimento e terminação de carcaça e eficiência alimentar.

Quem desenvolveu o Índice Real Matinha (IR$M)

Para que os índices de forma segura espelhassem as diferenças de valores econômicos dos genótipos agregados dos animais a Matinha recorreu aos sólidos conhecimentos do professor norte-americano Dr.Michael D. MacNeil importante geneticista com viés econômico-estatístico e com vasta experiência em trabalhos semelhantes.

Composição do 'Índice Real Matinha' (IR$M)

Fator Contribuição
Reprodução Probabilidade de Parto Precoce (3P) 10% 43%
Stayability (STAY) 33%
Crescimento Peso a Desmama (P210) 9,50% 29%
Ganho Pós Desmame 19,50%
Eficiência Alimentar Consumo Alimentar 23% 23%
Leite Habilidade Materna (MP120) 3% 3%
Carcaça Área de Olho de Lombo + Acabamento 2% 2%

A quem interessa o Índice Real Matinha (IR$M)

Para atender tanto a pecuaristas que comercializam seus produtos na desmama quanto àqueles que trabalham com o ciclo completo de produção, foram desenvolvidos dois índices específicos.

Os primeiros pecuaristas deverão utilizar o IR$MD ( Índice Real Matinha Desmama ) que estima a diferença de rentabilidade na desmama das progênies de dois ou mais touros.

O índice indicado para o ciclo completo é o IR$MC (Índice Real Matinha Completo) que, da mesma forma, permite comparar a rentabilidade entre as progênies de touros diferentes , avaliada ao final do ciclo de produção . Nos dois índices as diferenças são sempre expressas em reais (R$) para cada animal produzido.

Como utilizar o Índice Real Matinha (IR$M)

1ª hipótese: Você comercializa seus produtos na desmama e está escolhendo touros para utilização na próxima estação de monta.

1ª Opção - SHERLOCK MAT. – IR$DD= R$ 47,99
2ª Opção - FAGU MAT . – IR$DD= R$ 27,32
Diferença = R$ 20,67

Ao utilizar o touro SHERLOCK MAT. a diferença de rentabilidade estimada será de R$ 20,67 por produto. Portanto se produzir 1000 bezerros você está aumentando sua lucratividade em R$ 20.670,00

2ª hipótese: Você trabalha com pecuária de ciclo completo e está analisando opções de touros para uso na próxima estação de monta.

1ª Opção – RASTAN MAT. – IR$MC = R$ 139,95
2ª Opção - KABUL MAT. - IR$MC = R$ 62,26
Diferença = R$ 77,69

Ao utilizar o touro RASTAN MAT. no final do ciclo a diferença estimada de rentabilidade será de R$ 77,69 por produto. Assim se estiver produzindo 1000 animais você está incrementando sua lucratividade em R$ 77.690,00.

Em ambas hipóteses os valores obtidos referem-se a Maio/2011, devendo portanto serem corrigidos com base no índice de inflação no período. Nos primeiros quatro anos, até maio de 2015 a correção foi de 26,43%.